Terapia Cognitivo Comportamental

A Psicologia é uma ciência que entende o homem a partir do seu mundo interno, sua subjetividade, suas emoções, seus comportamentos e suas cognições. Por meio do conhecimento científico, o psicólogo auxilia o paciente no processo de autoconhecimento, a identificar padrões disfuncionais e lidar com suas dificuldades, construindo assim, novas formas de interpretar e enfrentar seus problemas.

A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é uma abordagem psicológica e foi desenvolvida no início da década de 60 por Aaron T. Beck. A TCC é uma abordagem baseada em evidências e vem tendo sua eficácia comprovada em estudos clínicos controlados. Atualmente, a TCC é considerada tratamento de eleição para diversos transtornos psiquiátricos como: Transtornos de Ansiedade; Transtorno Obsessivo-Compulsivo; Transtornos Depressivos; Transtornos Bipolares; Transtornos de Personalidade; Transtornos Alimentares; Transtornos da Sexualidade; Doenças somáticas; entre outros. Embora a TCC tenha um importante papel no tratamento das doenças psiquiátricas, ela não se resume a estes tratamentos e pode ser aplicada a qualquer dificuldade do paciente.

A TCC é conhecida por ser focada nos problemas presentes do paciente e com objetivos bem definidos, mas muitas vezes é necessário que sejam trabalhados conflitos e mágoas da infância e adolescência dos pacientes, principalmente quando estes acontecimentos trazem sofrimento na vida cotidiana ou acarretam em problemas de personalidade. Estas questões também são trabalhadas por meio da Terapia do Esquema de Jeffrey Young.

Na terapia cognitiva o terapeuta busca, por meio da reestruturação cognitiva e de técnicas específicas, auxiliar o paciente a fazer uma avaliação realista das situações, produzir uma mudança cognitiva e promover uma mudança emocional e comportamental duradoura. O terapeuta em TCC auxilia, de forma colaborativa, que o paciente identifique seu padrão de pensamentos, suas crenças e esquemas; fortaleça seus recursos para enfrentamento de problemas, suas habilidades sociais, alivie o sofrimento, desenvolva resiliência e melhore a qualidade de vida. Sendo assim, o paciente a partir do autoconhecimento e das técnicas utilizadas, desenvolve recursos para ser seu próprio terapeuta. Não há um tempo de tratamento pré-estabelecido, sendo que o andamento da terapia é constantemente avaliado e discutido de forma colaborativa pelo paciente e pela psicóloga.